Livro + Filme Empresa Data Driven

Livro: Competição Analítica: vencendo através da nova ciência
Thomas Davenport e Jeanne G. Harris (Alta Books)

Filme: O Homem que mudou o jogo

O século XXI é a Era das Empresas Data Driven. Não porque isso seja descolado ou modinha. Mas porque é imprescindível. A mídia digital trouxe consigo a possibilidade de auditar tudo quanto é dado a respeito da interação entre os visitantes e os canais digitais. A digitalização das empresas também permite coletar, organizar e acionar dados sobre tudo o que acontece internamente. A Era das Empresas Data Driven também é o fim do achismo, dos palpites e do “tino comercial”.

Obviamente existem muitos livros sobre esse tema, até porque ele se expandiu incrivelmente nos últimos dez anos. Mas para essa coluna vou indicar um livro mais genérico, porém totalmente estratégico: Competição Analítica.

Essa obra de Thomas Davenport não vai entrar fundo em detalhes sobre BigData, DataAnalytics, DataScience, Business Intelligence, WebAnalytics ou outros tantos sub-temas. O autor se preocupa em conceituar a matéria e logo em seguida traçar uma jornada que as empresas devem seguir para se tornarem orientadas a dados e atingirem a maturidade analítica. É um guia essencial para empresas que pretendem continuar vivas no século XXI.

E nada melhor do que exemplos de como a orientação a/por dados é útil em qualquer companhia. O filme O Homem que mudou o jogo (Moneyball) trata da história real do general manager Billy Beane (Brad Pitt) de um time de baseball que começou a utilizar dados e estatísticas para contratar jogadores, escalar os titulares e planejar as jogadas. Em 2002, o pequenino Oakland Athletics surpreendeu o mundo do baseball ao conseguir destaque na MLB mesmo contando com a menor folha salarial de todos os times profissionais. Nos anos seguintes os dados começaram a ser usados maciçamente pelos times da liga de baseball e também da NFL, liga de futebol americano.

Um parêntese aqui, para quem gosta realmente de dados e estatísticas o futebol americano é um prato cheio, já que têm centenas de dados sobre tudo o que acontece em cada jogo e na temporada toda.

Eu sei que muitas pessoas têm insegurança com números. Com dados e estatísticas mais ainda. Mas lançar mão de dados operacionais e comerciais da empresa é uma necessidade que não tem volta. Essas duas dicas são uma boa porta de entrada para começar a familiaridade com números na gestão e no marketing.